Trilha 3: Cultura de gestão | Regimento Externo

Ter uma equipe qualificada com rotinas e estratégias definidas é a base de um mandato de sucesso, por isso essa Trilha foi pensada para apresentar tudo que um(a) parlamentar de primeira viagem precisa saber para desenhar o seu time e estabelecer um fluxo de trabalho efetivo!
3.1 As 2 dicas de ouro para selecionar a equipe certa para seu gabinete
3.2 Planejando objetivos e metas em um gabinete parlamentar
3.3 Como construir uma cultura saudável e produtiva em um gabinete
3.4 Usando a tecnologia para potencializar o trabalho do mandato
3.5 Unificando gabinete local e central de forma estratégica
3.1

As 2 dicas de ouro para selecionar a equipe certa para seu gabinete

Parlamentares de primeira viagem costumam ficar sob enorme pressão para contratar uma equipe o mais rápido possível, e frequentemente tentam completar essa equipe nos meses entre o resultado das eleições e a posse na casa legislativa. O desafio é tanto em escolher as pessoas certas, mas também em desenhar o time e as funções. Nesta seção, vamos te ajudar a pensar em como desenhar seu time com segurança.

Primeiro é importante que você conheça quais as principais funções exercidas por uma equipe de assessoria parlamentar. Em geral, os gabinetes são compostos por 4 áreas:

Gerenciar atividades cotidianas e elaborar controles e registros.

Cargos possíveis: chefia de gabinete, assessor de agenda

Acompanhar as comissões, elaborar PLs, etc.

Cargos possíveis: assessor jurídico, assessor de políticas públicas

Responsável pela relação com a população, dedicando grande parte de seu tempo para ida a campo.

Cargos possíveis: assessor de relacionamento, assessor de ouvidoria, assessor de mobilização

Comunicação (responsáveis pela divulgação da imagem e ações do mandato.

Cargos possíveis: assessor de imprensa, designer gráfico

A Câmara dos Deputados define três atribuições para os cargos de secretário parlamentar: assessor parlamentar, auxiliar parlamentar e assistente parlamentar. Ainda que cada um destes cargos tenha sua descrição e especificações, como pode ser consultado aqui, estas atribuições são apenas delimitações gerais, e os gabinetes costumam ter cargos com nomes informais, alocados dentro destes três papéis, que variam de acordo com a metodologia e escolhas de cada parlamentar, como chefe de gabinete, assessor de imprensa, motorista, etc. 

Portanto, para além das funções e atividades do gabinete, é importante sempre alinhar os cargos com os cargos formais da casa legislativa – cujas descrições e características podem ser encontradas no site da Casa.

Recomendamos que sejam priorizadas, neste início, contratações que garantem as funções básicas do gabinete, e que também permitam uma remodelação das atividades no decorrer do mandato, por exemplo a contratação da pessoa chefe de gabinete, que poderá auxiliar em todas as demais definições.

Agora vamos as 2 dicas que você não pode ignorar para selecionar sua equipe de gabinete.

Desenhe uma equipe que completará você

Um(a) parlamentar eleito(a) possui diversas tarefas para exercer, como discursar em plenária, propor e discutir projetos de leis… Assim, dentre as várias habilidades que o(a) parlamentar deve ter, julgamos que é a essencial é saber do que é bom e não precisa de ajuda da sua equipe. Ou seja, saber quais são seus pontos fortes e fracos, para conseguir compor uma equipe que o complete. Por exemplo:

Se você é um parlamentar que gosta de se relacionar com a população ou outros atores, você precisará ter na sua equipe profissionais técnicos e que conheçam políticas públicas, para que suas propostas tenham além de representação popular, embasamento teórico.
Se você é um parlamentar técnico, que gosta de estudar propostas mas tem dificuldade em articular com outros atores, você vai precisar ter na sua equipe bons articuladores e comunicadores, para que suas propostas saiam do papel.

Selecione profissionais capacitados e alinhados ao mandato 

Seja contratando para o mandato a equipe de trabalhou na campanha ou profissionais recrutados em seleções públicas, é importante que garantir que esses profissionais: 

  • Tenham capacidade técnica para exercer sua função 
  • Estejam alinhados ideologicamente com as propostas do mandato

Uma forma de encontrar bons profissionais para seu gabinete é acessando o Banco de Aceleradores da Legisla Brasil. Ele conta com mais de 900 profissionais de todo o Brasil, prontos para atuarem com você no Legislativo. É uma ferramenta gratuita e com indicações de profissionais em até 7 dias. 

Outra opção interessante para selecionar os profissionais ideias para o seu mandato é abrindo um processo seletivo público. 

Uma outra forma de usar os recursos de contratação de pessoal de forma estratégica é formar um gabinete compartilhado com outros membros de bancada que foram eleitos com você. A ideia já é comum na política brasileira, em 2019, três congressistas de primeira viagem criaram um gabinete compartilhado reconhecendo que parte das competências necessárias eram comum a diferentes gabinetes e criaram, conjuntamente, uma estrutura que economiza recursos, soma esforços e também permite estratégias conjuntas para parlamentares. Na prática, cada gabinete tinha uma estrutura particular que exercia algumas atividades, e outras ficavam sob responsabilidade do gabinete compartilhado, fomentando as ações dos três parlamentares. Confira aqui diversos materiais sobre essa inovação legislativa, inclusive um guia sobre como implementar um gabinete compartilhado.

Além de capacidade, seu gabinete deve ser diverso! 

As casas legislativas, enquanto órgãos representativos, têm o papel de representar as demandas e necessidades de diversos setores da sociedade. Sabemos que a quantidade de homens negros, mulheres brancas e mulheres negras nos cargos eletivos é muito desproporcional a distribuição da sociedade, o que vem motivando algumas medidas, ainda incipientes, de cotas e outras regras para que os partidos garantam uma proporcionalidade maior de mulheres e negros candidatos.

E, para além da diversidade dos próprios cargos eletivos, é fundamental que haja diversidade dentro das equipes dos gabinetes. Um homem negro heterossexual, por exemplo, pode aprender muito caso tenham pessoas em sua equipe que tragam um olhar sobre mulheres, sobre a não-heterossexualidade, sobre pautas indígenas, etc. E ainda que seja importante ter em mente que há diferentes formas de representação – e fazer parte de um grupo minoritário não necessariamente indique que a pessoa deva ou queira trabalhar com pautas identitárias deste grupo – uma composição diversa só tem a acrescentar para o gabinete e para o mandato, e deveria ser priorizado.

Importante: quando falamos de diversidade, há diversas formas a se considerar, em aspectos como: raça, gênero, orientação sexual, faixa etária, condição socioeconômica, e pessoas com deficiência.

Como tornar o seu gabinete mais diverso e inclusivo?
Diagnóstico: se você já tem alguns membros na sua equipe, pare para analisar se a composição está inclusiva, diversa, se aproxima-se tanto aos aspectos de diversidade da população como aos temas que o gabinete considera prioritários.
Contratação: priorize candidaturas de pessoas que agreguem em quesitos de diversidade ao gabinete. Sabemos que há inúmeras barreiras e fatores estruturais que implicam as desigualdades no mercado de trabalho, e uma medida para combater isso é prestar mais atenção nos processos seletivos, fazendo-os com intenção.
Gestão de pessoas: não basta trazer pessoas novas se não há um cuidado e uma estrutura para mantê-las. Por exemplo: não há como contratar uma pessoa cega, sem ter uma estrutura que permita que ela desempenhe as atividades, e que o restante do time saiba comunicar-se de maneira a não excluir essa pessoa.

Navegue em outras Trilhas

X